24/09/2008

Não posso desfazer-me dos sinos cujo toque suaviza meus caminhos.......(....) Acha-me descontrolada. Eu não tenho tribunais!

Esta manhã encontrei um pássaro triste em seu pequeno arbusto ao pé do jardim - e por que canta - eu disse, se ninguém o escuta? Um soluço na garganta, uma agitação no peito. 'Meu ofício é cantar' - e lá se foi!

Dentro das malhas da alegria oculta-se a angústia precavida. Assim ninguém ao ver o sangue exclamará: Estás ferida! Dizem que o tempo ameniza. Isto é faltar com a verdade. Dor real se fortalece como os músculos com a idade. É um teste ao sofrimento, mas não o debelaria. Se o tempo fosse remédio nenhum mal existiria. Suportar nosso quinhão de cada noite, de cada manhã que vem...nosso vazio preencher com júbilo ou com desdém...

Uma estrela aqui, uma estrela além - algumas se estraviam!

Uma névoa aqui, outra além - depois o Dia!

Emily Dickinson (1830-1886)

Nenhum comentário:

Postar um comentário