25/09/2012

Dilema





Eu tenho sonhos que espelham a minha alma
Mas deixam a minha mordacidade louca
E a minha sonolência rouca e calma
Sentadas à soleira da minha imaginação
 
 
 
As lágrimas descompassadas rolam quietas
E riem dos meus demônios e fracassos
Os meus medos não permitem, nas longas noites
despertas,
Que a vida me leve em seus braços!
 
 
 
Ner Cabrera Lopez,  em  A Lenda - Editora Alley, 2005


5 comentários:

  1. Um escândalo a imagem do cabeçalho, Ci, e não menos belo o poema!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Faço coro com a Tania! Que imagem liiiiiiiiiiinda!

    Já o poema é instigador, instiga a dor... e assim sendo, belo, como só o que dói o é...

    Um beijo Ci!

    ResponderExcluir
  3. Ando meio confusa com os meus, que me giram e tonteiam como se eu fosse um mosaico e não uma mulher.
    Nem sei.
    Mas tenho sonhos.
    Beijoss, Ci :)

    ResponderExcluir
  4. Também achei maravilhosa a imagem.
    Ci, manda pra mim por email.
    Me inspira para bípedes.
    beijoss

    ResponderExcluir