12/11/2012


O Pensador, de Rodin (há 117 anos!)


O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
  E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido  a cada momento
Para a eterna novidade do mundo.
 
Fernando Pessoa

13 comentários:

  1. Amo esse poema do Pessoa, Ci. É esse o olhar Quem dera pudesse ser constante esse olhar, como se estreássemos o mundo a cada segundo!

    Beijos,

    ResponderExcluir
  2. Eu penso, penso, penso e não sei se eu existo!

    beijoss :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos DUAS! Mas bem que eu gostaria. De
      EXISTIR!!!

      beijoss :)

      Excluir
  3. José Carlos, teu comentário ficou "preso" pelo blogger e não há meio de publicá-lo.
    Tentei postar um comentário em teu blog e também não conseguí: será que eu sou um robÔ? rsrsrs Tentei várias vezes e NADA!!

    beijoss

    ResponderExcluir
  4. Oláá!!
    Se o pensamento tem uma imagem, graças a Rodin a imagem passou a ser esta!
    Bjão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será mesmo, Edu?
      Há quanto tempo! Que bom que estás de volta!!

      beijão

      Excluir
  5. Pessoa é sempre tão original que vale sempre a pena ler o que ele deixou. E o que ele diz sempre faz um sentido vital, não é?
    Beijos, Cirandeira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dade, que prazer vê-la por aqui!
      Pessoa nos deixou um legado importantíssimo para todos nós, sempre
      nos provocando reflexões. Ele é mesmo vital, como o disseste!

      Beijos

      Excluir
  6. José carlos deixou uma mensagem no Roxo pra ti! :-)
    Beijos,

    ResponderExcluir
  7. Naquele dia Pessoa acordou assim. No dia seguinte, qual seria o Pessoa? E no outro?
    Assim somos nós, falhos que somos do suficiente lastro para encarar de frente o tempo. Falta-nos a sabedoria. Bem anda o caracol, que construiu uma casa curvilínea. Quando sai nunca precisa de contar até dez. :)

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, meu querido Agostinho, 'stava
      sentindo tanto a tua ausência...mas é como dizes, tem dias que acordamos assim,
      noutros acordamos, ou não :) às vezes sinto tanta vontade de transformar-me num caracol...Se eu pudesse...!?

      Beijo :)

      Excluir