06/07/13

Uma crônica de Rubem Braga


 
 
O conde e o passarinho


Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho). Ora, aconteceu também um passarinho. No parque havia um passarinho. E esses dois personagens - o Conde e o passarinho - foram os únicos da singular história narrada pelo Diário de São Paulo. Devo confessar preliminarmente que entre um Conde e um passarinho, prefiro um passarinho. Torço pelo passarinho. Não é por nada. Nem sei mesmo explicar essa preferência. Afinal de contas, um passarinho canta e voa. O Conde não sabe gorjear nem voar. O Conde gorjeia com apitos de usinas, barulheiras enormes, de fábricas espalhadas pelo Brasil, vozes dos operários, dos teares, das máquinas de aço e de carne que trabalham para o Conde. O Conde gorjeia com o dinheiro que entra e sai de seus cofres, o Conde é um industrial, e o Conde é Conde porque é industrial. O passarinho não é industrial, não é Conde, não tem fábricas. Tem um ninho, sabe cantar, sabe voar, é apenas um passarinho e isso é gentil, ser um passarinho. Eu quisera ser um passarinho. Não, um passarinho, não. Uma ave maior, mais triste. Eu quisera ser um urubu. Entretanto, eu não quisera ser Conde. A minha vida sempre foi orientada pelo fato de eu não pretender ser Conde. Não amo os Condes. Também não amo os industriais. Que eu amo? Pierina e pouco mais. Pierina e a vida, duas coisas que se confundem hoje, e amanhã mais se confundirão na morte. Entendo por vida o fato de um homem viver fumando nos três primeiros bancos e falando ao motorneiro. Ainda ontem ou anteontem assim escrevi. O essencial é falar ao motorneiro. O povo deve falar ao motorneiro. Se o motorneiro se fizer de surdo, o povo deve puxar a aba do paletó do motorneiro. Em geral, nessas circunstâncias, o motorneiro dá um coice. Então o povo deve agarrar o motorneiro, apoderar-se da manivela, colocar o bonde a nove pontos, cortar o motorneiro em pedacinhos e comê-lo com farofa. Quando eu era calouro de Direito, aconteceu que uma turma de calouros assaltou um bonde. Foi um assalto imortal. Marcamos no relógio quanto nos deu na cabeça, e declaramos que a passagem era grátis. O motorneiro e o condutor perderam, rápida e violentamente, o exercício de suas funções. Perderam também os bonés. Os bonés eram os símbolos do poder. Desde aquele momento perdi o respeito por todos os motorneiros e condutores. Aquilo foi apenas uma boa molecagem. Paciência. A vida também é uma imensa molecagem. Molecagem podre. Quando poderás ser um urubu, meu velho Rubem? Mas voltemos ao Conde e ao passarinho. Ora, o Conde estava passeando e veio o passarinho. O Conde desejou ser que nem o seu patrício, o outro Francisco, o Francisco da Umbria, para conversar com o passarinho. Mas não era aquele, o São Francisco de Assis, era apenas o Conde Francisco Matarazzo. Porém, ficou encantado ao reparar que o passarinho voava para ele. O Conde ergueu as mãos, feito uma criança, feito um santo. Mas não eram mãos de criança nem de santo, eram mãos de Conde industrial. O passarinho desviou e se dirigiu firme para o peito do Conde. Ia bicar seu coração? Não, ele não era um bicho grande de bico forte, não era, por exemplo, um urubu, era apenas um passarinho. Bicou a fitinha, puxou, saiu voando com a fitinha e com a medalha. O Conde ficou muito aborrecido, achou muita graça. Ora essa! Que passarinho mais esquisito!Isso foi o que o Diário de São Paulo contou. O passarinho, a esta hora assim, está voando, com a medalhinha no bico. Em que peito a colocareis, irmão passarinho? Voai, voai, voai por entre as chaminés do Conde, varando as fábricas do Conde, sobre as máquinas de carne que trabalham

10 comentários:

  1. Belíssima crónica, uma preciosidade.
    Bom Sábado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciosidade das preciosidades!
      Obrigada pela visita, Antônio Eduardo.

      Uma ótima semana pra ti

      Excluir
  2. vou reler rubem braga, agora.
    adquiri, ha poucos dias, algun livros dele, maior cronista brasileiro de todos os tempos.

    beijo,
    r,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ótima opção, Roberto.
      E concordo contigo: Rubem Braga ainda está no topo dos cronistas brasileiros!

      beijo

      Excluir
  3. Tenho uma coletânea das crônicas de Rubem Braga, uma das minhas preciosidades ganhas de presente. Continua sendo o grande cronista. Um mestre. E essa crônica é demais.

    Beijos, Ci. ando devagar nas visitas ao blogue porque estou embolada com muitas coisas. Mas vir é sempre maravilhoso.

    ResponderExcluir
  4. NO CONOZCO NADA DE ESTE AUTOR, PERO ESTO ES FENOMENAL.
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias, ReltiH, puedes encontrarlo em Google.

      um abrazo

      Excluir
  5. Lindo, Cirandeira!!!
    Vou levar para o Cores, posso?
    Kandandu

    ResponderExcluir
  6. Claro que pode, Nami! Tudo o que você quiser, viu?

    Kandandu

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para todos nós que fazemos parte desse imenso universo interplanetário! Vamos, expresse algum opinião...:))