16/08/2015

.. . e o tempo?



 
entre parêntesis provisórios segue-se
lutando contra a página em branco
luzidia e indiferente
 
tanto esquecimento lembranças
outras
muito a desaprender
 
e o tempo?
 
a aurora esvai-se
é o irromper da
noite do sono nas veias
pedaços de equívocos
embaralhados mal
costurados guardados
em gavetas
os cômodos do medo
e da ignorância
 
e a boca cheia de pedras
e silêncios:
nem ela nem eles
sabem as palavras interditas

2 comentários:

  1. Oi Ci!
    Belas palavras... o tempo é essa equação que tentamos resolver e nunca dá muito certo!

    Bjo!

    ResponderExcluir
  2. GUAU... UN POEMA MARAVILLOSO!!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir