24/05/2010

Língua: sabor & sabedoria

Uma representação de Oxalá

Oxalá é considerado como o criador do mundo, embora diga-se também, que na hora de fazê-lo tenha bebido demais de um certo vinho de palma, passando o encargo, então, a Odudua.
A mitologia africana tem isto de belo: possui sempre variantes de um mesmo mito - o que, longe de confundir, apenas enriquece as possibilidades de compreensão do mundo.
Neste mito que começamos a contar agora, vemos Oxalá na condição de regente do mundo. Como um bom deus da criação, ele está pensativo.
"Orunmilá tem se mostrado como um dos deuses mais sábios e ponderados", pensa o deus do pano branco. "Acho que está na hora de elevá-lo a um grau de importância maior neste mundo".
Uma dúvida, porém, muito comum nestes casos, impede a decisão final do deus.
"É inteligente, mas terá sabedoria suficiente para ocupar o cargo que pretendo oferecer-lhe?"
É preciso, pois, testar a sabedoria do deus.
- Já sei! - exclama Oxalá, dando um tapa na testa - Vou aplicar-lhe um teste de sabedoria!
No mesmo instante manda Exu, o deus mensageiro, trazer Orunmilá até si.
- Aqui estou, grande deus - diz Orunmilá.
- Meu querido amigo, quero que me faça algo.
- Pois não, grande deus.
- Quero que me prepare o melhor prato do mundo.
Orunmilá, que não era exatamente um cozinheiro, meio que vacilou.
- O melhor prato do mundo?
- Sim, aquele que esplende não só no sabor, como na sabedoria.
" Um prato que esplende tanto no sabor quanto na sabedoria!", pensa Orunmilá, a coçar a cabeça.
- Está bem, grande deus, terá o seu prato sábio e saboroso - diz ele, numa súbita iluminação.
Orunmilá sai correndo dalí e começa a preparar o tal prato. Dalí a algumas horas retorna com uma grande travessa fumegante.
- Trouxe o prato que lhe pedí? - diz Oxalá, a lamber-se todo.
- Sim, grande deus, aqui está o mais sábio e saboroso dos pratos.
Oxalá espiou para o interior da travessa e viu uma grande língua de touro cozida com inhame.
- Hum, esté belo, de fato! - disse o deus, lambendo-se todo outra vez. - Mas diga-me uma coisa: por que escolheste este prato para ser o mais perfeito de toda a culinária?
- É que além de ser muito saboroso, traz em si uma mensagem implícita.
- Uma mensagem implícita?
- Sim, a língua em sí é um símbolo muito poderoso. Por ela, podemos desejar saúde para os outros. Por ela, podemos falar bem dos amigos e proclamar a retidão e a justiça. Por ela, podemos exaltar os deuses e todas as virtudes que a eles conduzem. São incontáveis, enfim, os bens que uma língua pode produzir!
Oxalá ficou tão satisfeito com a resposta que abraçou Orunmilá depois de comer a língua inteira.
- Sua resposta mostrou-se tão sábia quanto seu prato mostrou-se delicioso! Agora,
meu querido amigo, quero que me prepare a pior comida possível!
Orunmilá embatucou outra vez.
- A pior comida possível?
- Exatamente.
Orunmilá levou consigo a travessa e esteve o restante do dia a preparar a pior comida possível, até que, já quase ao entardecer, retornou com sua travessa repleta outra vez.
Oxalá olhou para a travessa fumegante com o nariz torcido.
"O que será que ele trouxe?", pensou, certo de que veria algo inteiramente repugnante.
Entretanto, quando Ifã desceu do alto a sua travessa, lá estava outra vez a língua do touro acomodada entre os inhames.
- Língua de touro outra vez? - exclamou Oxalá, com uma nota de decepção em sua voz.
- Sim, grande deus!
- Mas não entendo! Como a língua pode ser ao mesmo tempo a melhor e a pior comida possível?
- Pode ser a pior também, grande deus, porque, com a língua os homens podem cometer perjúrio contra os deuses e contra eles próprios. Podem caluniar e intrigar. Podem dizer mentiras e induzir ao erro uma alma boa e ingênua. São incontáveis, enfim, os males que uma língua pérfida pode cometer!
- Sábias palavras, disse o deus.
Por causa das duas sapientíssimas respostas que escutou, Oxalá tornou Orunmilá o primeiro babalorixá do mundo, palavra africana que significa "pai dos segredos".




Extraído de "As melhores histórias da mitologia africana", de A.S.Franchini e Carmen Seganfredo - Artes e Ofícios Editora Ltda., 2008

13 comentários:

  1. ese fogón de leña me gustó mucho.
    un abrazo

    ResponderExcluir
  2. Meu filho é filho de Oxalá!
    Eu sou filha de Oxum!

    Está muito bonita a imagem de cabeçalho e muito bacana o post.

    ResponderExcluir
  3. Cirandeira, você é muito talentosa. Eu estou louca louca louca para aprender a pintar. Depois de julho, vou ter mais tempo e aí farei aulas. Adorei o seu trabalho. Gostei das cores, do movimento e da composição. Você é uma artista.

    ResponderExcluir
  4. Quié isso!? Sou nada não, apenas passo pelas horas, tentando preenchê-las pra não ficar biruta, kkkkrrrsss!!!?

    ResponderExcluir
  5. Entendo perfeitamente essa necessidade de arte para não "embirutar" :)
    O seu trabalho é muito bacana. Envie umas imagens dele para a gente colocar no cabeçalho do Mínimo Ajuste. A Lúcia Alfaya e a Ivonete já mandaram. Foram os cabeçalhos mais artísticos. Ah, a gente tem também um pequeno cadastro com as cidades em que cada um mora e o dia e o mês dos aniversários. Se quiser colocar os seus dados, deixa lá ou manda pelo email minimoajuste@gmail.com
    Beijo.
    Bípede

    ResponderExcluir
  6. Oxalá...Oxalá...
    é o rei...
    venha me valer...

    Beijos
    gentis
    Leca

    ResponderExcluir
  7. Adorei o texto! É lindo!

    Bjs e inté!

    ResponderExcluir
  8. Conheci o blog através da visita que fez ao meu. Adorei tudo por aqui: o layout, as imagens, as postagens...
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Cirandeira querida,
    Mesmo nessas férias na casa dos meus sogros, tô aqui com o notebook do serviço do meu marido visitando espaços maravilhosos como o seu.
    Que resgate cultural magnífico!
    Mas de você não esperamos menos que isso...
    Que Oxalá nos abençoe, amiga!
    Estamos precisando...
    Um beijão bem brasileiro!!!

    ResponderExcluir
  10. Miga do coração, já frequentei muitas "roças" de Candomblé e centros de Umbanda e Espiritismo. Aliás, já visitei todas as religiões que pude. Não me defini por nenhuma, mas não me considero atéia e se o fosse teria toda a liberdade em sê-lo. Ocorre que um imbecil (é essa mesma a palavra) escreveu por lá, fez um postzinho pretensioso, metendo o sarrafo no Rio de Janeiro (ele é português) e malhando a Igreja Católica que tem lá seus problemas que todos conhecemos sobejamante. Esse cara (vou te enviar um e-mail completo quando voltar das férias), que "gosta muito de criancinha indefesa", quis desviar o foco das atenções que recaíam sobre ele para o catolicismo. Puxa, não é por aí...deu pra entender, né?
    No mais, lhe fico muito grata por suas lições de Pura Brasilidade e Inteligência.
    Você é o máximo!!!Bjsss

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito desta postagem. Obrigado. Posso levar para Cores e Palavras? Com todos os créditos ao seu blog, claro.
    A pintura do topo está linda... foi voce, artista?
    Kandandu

    ResponderExcluir
  12. É claro que pode, Namibiano. Para mim é uma honra e um grande prazer participar do 'Cores e Palavras' !
    A pintura do topo da página? Sim, fui eu que "a cometí", há algum tempo atrás!
    Obrigada pelos elogios.

    kandandu

    ResponderExcluir