14/11/2012

Quando elas despertam


 
procura guardá-las, Poeta
por poucas que sejam de guardar
do teu amar as visões.
Coloca-as no meio, ocultas
nas tuas frases.
Procura detê-las, Poeta,
quando em tua cabeça elas despertam,
de noite ou na luz crua do meio-dia.
 
 
Kontantinos Kaváfis,  Alexandria, Egito - 1863-1933


8 comentários:

  1. As visões! Às vezes procuro as palavras para descrevê-las, mas elas impõem-me mudez e caminham por dentro de mim, com seus pés suspensos. Pérola que veio de longe essa, Ci!

    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visões tenho-as aos montes numa montanha
      ainda inacessível para mim :))

      beijos, Tãnia

      Excluir
  2. guardo guardo guardo!
    guardo e digo que jogo fora.
    mas guardo guardo guardo!!!!

    beijos, Ci

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que perdí a chave do "cofre" onde as guardei, ou então foram apenas visões!

      beijos, Lê

      Excluir
  3. CONTUNDENTE!!!
    UN ABRAZO

    ResponderExcluir
  4. Só tu, Ci, para destapar baús que deveriam estar sempre abertos.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente vai tentando, mas o mundo possui tantos tesouros ainda encobertos, tantas
      minas inexploradas...o mundo é um baú
      infinito, inesgotável, né não?

      Beijo :)

      Excluir
  5. É a magia do diálogo entre o Eu e o Outro :) recomendar a si mesmo o que precisa ser feito como um dogma. E a sua é revelar o poema para os leitores daqui desvelá-lo. Maravilha!
    beijo,

    ResponderExcluir