11/08/2012

Hoje


A sensação oca de que tudo acabou
o pânico impresso na face dos nervos
o solitário inverno da carne
a lágrima, a doce lágrima impossível
e a chuva soluçando devagar
sobre o esqueleto tortuoso das árvores
Ivan Junqueira, Rio de Janeiro (1934 - )

8 comentários:

  1. Um profundo e demorado suspiro, Ci. A chuva soluçando devagar...como não pude traduzir isso assim um dia? Se não houvesse a poesia, tanto do meu indizível íntimo me levaria a um abismo.

    Obrigada sempre pelo que você deixa aqui. Suas escolhas sempre fizeram-me ver a nata poeta que você é. Sensibilidade rara.

    Beijos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tânia, você é uma daquelas raras pessoas
      que me transmite muita delicadeza e generosidade, uma pessoa que sempre nos estimula a crescer e ir em frente. Sou-te
      muita agradecida por isso!

      beijoss

      Excluir
  2. Ci, recebi seu email.
    Vou responder. Estou arrumando envelopes pra por no correio.
    Tenho uma surpresa pra muitos amigos.
    Beijos, querida Ci.
    Você não faz ideia do quanto é importante pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quantas ideias não sabemos uma da outra,
      não é?

      beijos, querida!

      Excluir
  3. Gracias, ReltiH, eres siempre tan amable!!

    un abrazo

    ResponderExcluir
  4. a droga é que "tudo" é muita coisa para acabar... e então, resta a dor... sempre ela.

    Bjo Cí!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a dor está entranhada em nossas vísceras,
      mesmo quando sorrimos...!?

      beijoss

      Excluir