21/08/2010

Faces...



Quando se nasce, a nossa morte sai do túmulo, como nós do ventre. Devagar, corcunda e velha, contrasta com a nossa juventude. Nós somos crianças quando ela é uma velha, enrugada, fraca e decrépita. E todos nós vamos envelhecendo enquanto ela vai rejuvenescendo. A certa altura da vida, os dois rostos, o nosso e o da nossa morte, cruzam-se e são iguais como num espelho. Acontece por volta dos trinta. Por isso, quando um homem antes de morrer vê a cara da morte, nesse trágico instante, ela tem a cara que nós tínhamos quando saltamos do ventre materno: uma cara de bebê recém-nascido.



Afonso Cruz, ilustrador, músico e escritor português.

7 comentários:

  1. Que grande idéia essas paralelas em direções contrárias. Nascimento e morte são dois extremos misteriosos.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Ci, que punk essa percepção de que a morte sai do túmulo quando alguém nasce! Super genial. Estou impressionada!
    bj.

    ResponderExcluir
  3. É VERDADE QUE QUANDO NASCEMOS, NOSSO TEMPO JÁ ESTÁ SENDO CRONOMETRADO, JÁ EXISTE UMA CONTAGEM REGRESSIVA.

    ResponderExcluir
  4. O vai-e-vem de nossa existência, a descida de volta...!!!?

    ResponderExcluir
  5. E por mais que muitos pensem que são eternos, ninguém escapa: mais dia, menos dia, não tem
    "perhaps"...!

    ResponderExcluir
  6. Um texto muito bem conseguido, "bem achado"...

    Beijo :)

    ResponderExcluir